É O Fim (This Is The End) – CRÍTICA

Imagem

Em outubro chega ao cinemas brasileiros ”É o Fim”. O longa marca a estréia da dupla Seth Rogen e Evan Goldberg (roteiristas de ”Superbad – É Hoje”), só que dessa vez na direção. O filme conta com um elenco jovem de peso da comédia americana (praticamente todos que fazem sucesso nos cinemas), como Seth Rogen, Jonah Hill, James Franco, Michael Cera e muitos outros. A história se passa no ano de 2012 e fala sobre o esperado fim do mundo.

O grande diferencial e ponto forte do filme é que os atores interpretam eles mesmos, parodiando suas próprias personalidades e excentricidades hollywoodianas. É possível ver um James Franco hilário e um Michael Cera insano. Tudo isso com direito a alienígenas, explosões e buracos gigantes abertos sob a terra! No filme, Seth Rogen recebe Jay Baruchel na sua casa e entre o uso de drogas frenético e o ócio, eles decidem ir para uma festa que está acontecendo na casa de James Franco, grande amigo de Seth. Lá estão todas as estrelas da comédia curtindo a festa com direito a toda quantidade de drogas que você pode imaginar até que fatos estranhos começam a acontecer e é aí que a história começa. O filme tem um início muito promissor, é super divertido ver os atores interpretando eles mesmo e fazendo piada disso. Os diálogos são inteligentes e com piadas ácidas o tempo inteiro. Infelizmente o filme se perde um pouco no seu segundo ato, quando o estilo de comédia lembra ”Todo Mundo em Pânico” e acaba apresentando algumas falhas no roteiro (ou uma certa falta dele). Há várias participações especiais (e divertidas), as principais são de Emma Watson e Rihanna, que por possuírem uma quantidade enorme de fãs com certeza atrai mais público ao filme.

Na conclusão o filme agrada, não passando de uma paródia bem humorada e inteligente sobre os filmes catástrofes com momentos muito engraçados. A impressão é que os atores realmente se divertiram durante as gravações e que toda a bagunça foi proposital (não dá para avaliar bem as atuações). Seth Rogen mostra uma grande evolução e capacidade para fazer comédias de sucesso. Por fim, ”É o Fim” é um filme que talvez não agrade a todos os tipos de público mas que vale ser visto para apreciar um pouco mais do trabalho de cada ator.

NOTA: SETE (7/10)

João Bosco

Anúncios