Ela (Her) – CRÍTICA

HER

Spike Jonze entrega ‘Ela’ (‘HER’), um dos filmes mais doces e sensíveis deste ano. Protagonizado por Joaquin Phoenix (Theodore), o filme mostra um escritor deprimido e solitário após a separação da sua ex-mulher (Rooney Mara), com isso ele acaba se apaixonando pela voz de Samantha (Scarlett Johansson), um moderno sistema operacional de computador. O que seria um tema relativamente raso, leva o espectador a uma profunda reflexão sobre os relacionamentos modernos. Por várias vezes, o público se pega associando o que se passa na tela à sua vida.

Embora se passe no “futuro”, o ano não é especificado mas aparentemente não seria um tempo muito distante do atual. Há vários aspectos do filme a se destacar, primeiramente o trabalho primoroso dos atores, Phoenix está na melhor forma da sua carreira e dá uma delicadeza incrível ao seu personagem, além de Scarlett Johansson que faz perfeitamente a voz da apaixonante Samantha. É perfeitamente possível “vê-la”, mesmo sem ela aparecer fisicamente. Amy Adams é outra que se destaca no filme, fazendo uma personagem bem diferente das que ela faz de costume.

Spike Jonze é quem dita o tom, a maneira como o diretor conduz o filme, unida a uma bela fotografia e um belo figurino que junta moderno-contemporâneo é que torna o filme tão prazeroso de assistir. Os closes em Theodore enquanto divaga sobre a vida com Samantha trazem os personagens para perto de quem está assistindo. Arrancando sorrisos fáceis e leves. E dessa maneira fica difícil não se encantar e refletir através dessa “história de amor” tão improvável e ao mesmo tempo tão atual.


E o destaque final vai para a música The Moon Song  da cantora Karen O que está concorrendo a melhor canção original, a música é belíssima. E você pode conferir abaixo:

NOTA: NOVE (9/10)

João Bosco

Anúncios